O autódromo de Interlagos não é para moto

Não deveria haver corrida de moto em Interlagos

O Autódromo De Interlagos Não é Para Moto
O Autódromo De Interlagos Não é Para Moto

Texto de Marcelo Moreira em seu perfil no facebook

Meu texto desta semana falando do GP da Europa de motovelocidade, foi pro lixo. Passei do estagio de tristeza para o de revolta. Não aguento mais escrever, parando de parágrafo em parágrafo, para limpar as lágrimas da tela do celular. Cansei de abordar esse assunto, ou pior, trata-lo como se fosse algo que fizesse parte do esporte. Não faz. A morte persiste nesta pista, não por acaso. É cansativo e repetitivo.

INTERLAGOS NÃO É PARA MOTOS.

Interlagos NÃo É Para Motos

O locutor do evento, iniciou a transmissão chamando a pista de Interlagos de “a mais tradicional do Brasil”, tradicional para quem?
O esse é do Senna, e não do Rossi. Interlagos não tem historia e muito menos tradição no motociclismo. A única tradição desse circuito é de ser macabro para os motovelocistas. E
Vão dizer que foi uma fatalidade a morte do Matheus Barbosa. Mentira. As mortes em Interlagos, são culpa dos obstáculos nos lugares errados. Parece que patrocinadores, organizadores e, principalmente, pilotos estão todos anestesiados.

Será que não enxergam?

Piloto Matheus Barbosa Morre Em Acidente No Autódromo De Interlagos No Superbike Brasil

Motovelocistas, abandonem essa pista, abandonem qualquer evento que insista em competir de moto, nessa pista.
A primeira reportagem que li, dizia que o piloto passou da área de espape.
Que área de escape é essa?
Cimento para moto não é área de escape, é pista. Só o que para uma moto de corrida é brita ou barreira de colchão de ar, o “air fence”. Acorde motovelocista!
Conheci o Matheus em Goiânia. Ele apareceu nos boxes com uma TT125, preta e cromada, linda. Tirei umas fotos da “dois tempos”, e lhe dei de presente. Voltei ao passado, a TT foi minha primeira moto. Matheus, tinha só 22 anos, faria aniversário na proxima sexta-feira, era timido e acelerava uma barbaridade. No grid, deu sua última entrevista para a tv.
Largou, como bem lembrou meu amigo e também piloto Alex Pires, “foi com tudo pra cima do Eric Granado, disputando freada lado a lado. Antes do acidente e, por três vezes, ele corrigiu a traseira da moto. Piloto brabo, morreu tentando salvar o tombo.” concluiu Alex. Infelizmente, você leitor, não vai ter a oportunidade de ver esse garoto correndo, Interlagos interrompeu mais um curriculo de Campeão.
Tinha um muro e uma viga de ferro no caminho. Revoltante.

Nossa opinião sobre corrida de moto em Interlagos

Ontem mesmo fizemos um Post sobre a morte do Piloto Matheus Barbosa em Interlagos no evento do Superbike Brasil e há mais de 6 anos atendemos motocicilistas que trazem macacões de couro para ajustar e restaurar após queda e ajuste de medidas e muitas vezes nesses anos todos vimos motociclistas morrendo na Pista de Interlagos, inclusive alguns muito conhecidos como o Danilo Berto, que era querido por todos que o conheciam.

Muito já se falou a respeito mas a grande verdade é que o Autódromo de Interlagos é feito para corrida de carro e não de motos, e quando os ” Foguetes sobre 2 rodas” alcançam velocidades altas, qualquer acidente pode ser fatal numa pista não preparada para motos.

Reformar macacão de motociclista Alpinestars

Pelo que podemos perceber as mortes ocorrem com muito maior frequência no Autódromo de Interlagos e no Autódromo de Goiânia, ao passo que por exemplo TrackDay em Capuava não ocorrem mortes. Quando muito ocorrem pequenos acidentes nos track days onde os Pilotos acidentados se levantam, sacodem a poeira e seguem a vida.

Por mais que façam exames psicológicos, psicotécnicos e outras exigências nas motos isso tudo parece que prepara ainda melhor os pilotos em relação à reflexos e as motos às suas potências máximas, e juntando esses 2 fatores+ adrenalina de jovens Pilotos de moto pode ser( e ao que tudo indica o é) uma combinação infelizmente mortal.

A Prefeitura de Interlagos não aprovou as mudanças sugeridas pela Direção do Superbike por ser um Autódromo cuja Fia Fórmula 1 já homologou e quaisquer mudanças geraria uma burocracia imensa.  Entretanto, os pilotos de moto dizem saber dos riscos e mesmo assim optam por se arriscar.

Queremos muito que as mortes nunca mais rondem nossas Pistas de corrida.