Empreendedor : O talvez de todo dia nos Consertos de Roupas

O Talvez De Todo Dia Nos Consertos De Roupas

Empreendedor : O talvez no Ateliê de Costuras

Todo empreendedor acorda cedo pensando nas propostas que tem na rua. Em nosso caso, criando formas de divulgar nossos serviços de Consertos de roupas para pessoas elegantes.


Em 365 dias ele recebe uns 30 sims, uns 30 nãos e uns 300 talvezes.
O que mata o empreendedor não é o não, é o talvez…
O talvez é a esperança falsa de um sonho dar certo, de um negócio prosperar…É alimentar seus sonhos com nada concreto, nada palpável.


É a promessa do presente do filho na nuvem, ou seja, nem lá nem cá…

É A Promessa Do Presente Do Filho Na Nuvem


Sempre respeitei pequenos empreendedores. Quando eu comprava deles sempre falava a real e fazia de tudo pra comprar deles, nunca dos grandes.
O grande tem caixa, e caixa é a sustentação do sonho por anos a fio. O grande muda de sonho a cada segundo.
O pequeno não.
O pequeno sai de casa sem saber como volta.
O pequeno promete pouco aos filhos, ao marido, à esposa, ele tem medo de tudo.

O pequeno deixa sua saúde de lado trabalhando exaustivamente, se trabalhar com a esposa no mesmo negócio então ele perde a noção do que é ter esposa por vê-la praticamente como sócia. Ele perde o crescimento dos filhos por chegar em casa tão arrebentado a ponto de não ter praticamente energia alguma para brincar com quem tanto ama. O sonho de levar sua filha para a Disney está cada vez mais distante a ponto dele imaginar que isso só acontece em conto de Fadas, mas ele vê as amiguinhas das filhas indo e isso o destrói por dentro, e ele trabalha mais e mais, se desgasta, vê sua saúde indo embora e muitas vezes ouve aquela voz de que para ele isso é IMPOSSÍVEL.

Algumas vezes o empreendedor deixará seus filhos passarem férias com os tios e primos para que eles possam dar aos seus filhos o tempo e a qualidade de férias que você não está podendo proporcionar e isso vai lhe doer demais, demais mesmo. Entretanto, restará à você entender que pelo menos para os seus filhos isso será o melhor pois eles aproveitarão um pouco a vida, mesmo que o ideal seria estar desfrutando das férias com você.

Você olhará para sua filha e chorará escondido por não poder dar à ela tudo o que você gostaria, mas você terá de ser forte para não deixar isso transparecer demais e ainda mais importante; ter forças para ensiná-la a não cometer os mesmos erros que você cometeu e agora está pagando caro, deixando de dar qualidade a quem você tanto ama.

Diversas vezes o ato de empreender para o empreendedor é ser um ótimo auxiliador para seus funcionários resolverem problemas familiares, problemas com os filhos, ao passo que tantas e tantas vezes o empreendedor empurra com a barriga os próprios problemas familiares e de seus filhos. Nessas vezes o empreendedor se sentirá um sujo, um hipócrita, por negligenciar os problemas com e dos filhos em detrimento aos filhos dos outros, afinal de contas a empresa ou comércio sempre vem em primeiro lugar, e sem clientes não há existência… Mas sem filhos emocionalmente bem amparados não há prazer, não haverá paz…


O Empreendedor vai na terapia ( quando consegue pagar) pra entender o que acontece, ou o que não acontece, ou o que talvez aconteça, ou não… Ele assiste todos os dias vídeos no Youtube com os melhores coachs, os melhores especialistas, e as vezes se frustra tanto com tamanho conhecimento adquirido e ver que em sua vida parece que nada daquilo ocorre, enquanto enche de audiência os criadores de conteúdo que estão ganhando com tudo isso( o que é justo , já que criam conteúdos grátis até então).

Balanço Patrimonial ? Fala sério

O pequeno empreendedor aprende que deve fazer um balanço do seu negócio ao término e ao início do ano, mas muitas vezes ele foge disso pois se ele encarar a dura realidade é capaz dele perder a ilusão que alimenta seus sonhos e aí ter de tomar uma atitude mais séria ( acreditem, muitas vezes a doce ilusão é o que faz com que o empreendedor não abandone tudo). O que ele quer mesmo é empreender sempre.

Seus familiares não entendem o porquê dele se dedicar tanto e muitas vezes parece que se dedica a empreender para nada ou quase nada. Entretanto, que conste a verdade muitas vezes, o pequeno empreendedor é aquela pessoa que não teve muitas oportunidades ou não soube aproveitá-las quando era mais novo(a) e agora tem que trabalhar o dobro ou até o triplo dos amigos e familiares para ganhar as vezes a metade.

Não tem jeito, uma hora a fatura do descaso chega e aí ou você a encara de frente e vai pra cima ou joga a toalha de vez… Provavelmente seus amigos e familiares em situação financeira muito melhor que a sua de pequeno empreendedor é aquele ou aquela camarada que estudou muito mais do que você, consequentemente foi muito menos pra balada, viajou menos com a turma do que você, e hoje a situação se inverteu.

Como tratar um pequeno empreendedor?

6 ideias de negócios para empreender na crise

Quando um pequeno empreendedor te mandar uma proposta, faça uma pergunta pra ele:
Se eu te der um sim o que muda em sua vida?
Pegue um lenço para ouvir as respostas.


Elas irão de investir no negócio a comer no outro dia, quem sabe no mesmo pegando emprestado com alguém com a promessa do recebimento.
Um sim postergado fecha empresas, fecha portas, fecha corações. Um sim postergado mata uma pessoa. Mata seus sonhos, mata seu compromisso de HOJE.


Quando conhecer um pequeno empreendedor proteja-o, seja honesto com ele, lembre-se de passar longe do talvez. Lembre-se também que esse “pequeno” é relativo, pois as vezes através das Redes Sociais aparentemente o Empreendedor nem pareça tão pequeno mas nem tudo o que reluz é ouro e só sabe a situação quem a vive.


Quem mata o empreendedor pequeno não é e nunca será um não, mas o talvez. Dependendo do seguimento do empreendimento o talvez desse empreendedor seja os clientes que ele imagina que adentrarão seu estabelecimento para adquirir seus produtos ou principalmente seus serviços, que em nosso caso é o de Ajustes de roupas em São Paulo .

O talvez diário de muitos é criar conteúdos no Google , é fazer lives no Instagram , é gerar engajamento nas Redes Sociais mas não efetivamente vender, e aí o empreendedor se perguntar se está fazendo o que é certo , se remoer, fazer pequenas mudanças e a cada manhã acreditar que o dia será diferente do de ontem.

Cada chamada no Whats app é um talvez que o empreendedor recebe, mas ele se desanima quando percebe que na primeira frase da mensagem vem a pergunta do quanto custa, qual o preço. Alí o empreendedor se questiona se de fato tudo o que ele está fazendo para chamar a atenção está valendo a pena ou se para as pessoas em sua grande maioria o que vale é o preço.

Entretanto, o empreendedor também percebe que cada pessoa interessada em seus serviços quer a qualidade que ele tanto divulga que tem, mas o preço que querem pagar pela qualidade é aquém do que a empresa cobra.

valiação de satisfação no google meu negocio

Avaliações no Google Meu negócio, ou Google My Business como muitos preferem chamar parece não ser suficiente para que o Empreendedor receba um sim de um visitante. Ele recebe contatos, pedidos de orçamento, mas isso está longe de ser um SIM. Faz parte do processo? Sem dúvida, mas é um TALVEZ.

Todavia, algumas pessoas que de fato se tornam clientes sequer enviam mensagem via Whats app. Muitas delas vêem os vídeos no youtube, as informações nas redes sociais e principalmente as avaliações dos clientes e vão até a Empresa tornando-se de fato um(a) cliente.

Então por favor não deixe o Empreendedor na Expectativa e ao menos seja educado ao agradecer o atendimento super bem prestado, principalmente fora de horário, no Whats app e nas Redes Sociais por exemplo.

Se você for CLT acredito que não fique 10 minutos a mais do seu horário na empresa sem cobrar hora extra, mas se o Empreendedor lhe responde fora de horário e aos finais de semana e de repente o preço que o empreendedor lhe passou não te agradou e você sequer o agradeceu, você está demonstrando não ter um pingo de empatia e consideração.

Fechar ou não é um direito seu, e ser educado(a) poderia ser um Dever… Pense nisso.


Talvez o Empreendedor consiga, talvez não, a única coisa que você provavelmente nunca saberá é o que o seu sim mudaria numa vida inteira…

Texto escrito por Alberto Leite que é uma pessoa que admiramos muito, e adaptado por nós.

Segue o texto do Alberto na íntegra :

O talvez

Todo empreendedor acorda cedo pensando nas propostas que tem na rua.
Em 365 dias ele recebe uns 30 sims, uns 30 nãos e uns 300 talvezes.
O que mata o empreendedor não é o não, é o talvez…
O talvez é a esperança falsa de um sonho dar certo, de um negócio prosperar…


É a promessa do presente do filho na nuvem, ou seja, nem lá nem cá…
Sempre respeitei pequenos empreendedores. Quando eu comprava deles sempre falava a real e fazia de tudo pra comprar deles, nunca dos grandes.
O grande tem caixa, e caixa é a sustentação do sonho por anos a fio. O grande muda de sonho a cada segundo.
O pequeno não.


O pequeno sai de casa sem saber como volta.
O pequeno promete pouco aos filhos, ao marido, à esposa, ele tem medo de tudo.
Ele vai na terapia pra entender o que acontece, ou o que não acontece, ou o que talvez aconteça, ou não…


Quando um pequeno empreendedor te mandar uma proposta, faça uma pergunta pra ele:
Se eu te der um sim o que muda em sua vida?


Pegue um lenço para ouvir as respostas.
Elas irão de investir no negócio a comer no outro dia, quem sabe no mesmo pegando emprestado com alguém com a promessa do recebimento.
Um sim postergado fecha empresas, fecha portas, fecha corações. Um sim postergado mata uma pessoa.


Quando conhecer um pequeno empreendedor proteja-o, seja honesto com ele, lembre-se de passar longe do talvez.
Quem mata o empreendedor pequeno não é e nunca será um não, mas o talvez.


Talvez ele consiga, talvez não, a única coisa que você provavelmente nunca saberá é o que o seu sim mudaria numa vida inteira…

Alberto Leite

Deixe seu comentário