Empreendedores de Sucesso

 

Sim- existem pessoas que trabalham duro e vencem.

facundo guerra

 

 

 

NOVO ESTUDO DE CASO

 

Com 32 anos de idade, depois de ser demitido de uma grande empresa de internet, juntou suas economias e partiu para enfrentar uma nova fase de sua vida. Para alguns, o seu desafio era simplesmente abrir casas de shows em São Paulo. Para ele, uma missão de transformar e resgatar a identidade da cidade.

Atualmente, mais de 800 mil pessoas circulam em suas 6 casas, gerando um faturamento de 40 milhões de reais por ano e por onde implanta os seus negócios, muda o cenário urbano ao seu redor.

Conheça o novo personagem do estudo de caso que estreia na próxima semana. Ele tem um perfil único e sua história tem muito a nos ensinar.

O meuSucesso.com é assim. Você aprende com histórias verdadeiras, com um formato cinematográfico e aulas das disciplinas essenciais para o empreendedorismo. Além disso, pode conhecer empreendedores de todo Brasil que também são assinantes e estão conectados em nossa rede social exclusiva.

 

Comece a estudar agora: https://goo.gl/VS184m

 

Extraído do blog: Geração de Valor

 

 

Um pouco mais sobre a vida desse empresário de sucesso na reportagem da Revista Vogue:

 

Se a atmosfera de boemia e diversidade está de volta ao centro de São Paulo, muito disso se deve a Facundo Guerra. Há mais de dez anos, ele abriu o Vegas Club, boate que deu início à revitalização da rua Augusta e precedeu cinco outros estabelecimentos, todos na região central. Não é de se estranhar, portanto, que este argentino de 38 anos – a maior parte deles vivida em terras paulistanas – tenha escolhido o coração da cidade para morar.

 

A aura de empresário da noite esconde, porém, a rotina de Facundo, um sujeito caseiro que passa longos períodos lendo e vendo filmes. “Quando vim morar aqui, decidi trazer comigo o essencial”, afirma. Esse estilo de vida, que, segundo ele, “reflete uma latente crise da meia-idade”, ditou a reforma do apartamento, feita de acordo com o projeto dos amigos Marcos Paulo Caldeira e Mila Strauss. Para começar, os arquitetos acabaram com a divisão entre sala, cozinha e um dos dois quartos.

Considerado por Facundo como “o mais nobre dos metais”, o cobre empresta seu tom castanho avermelhado aos ambientes. “No mobiliário, a intenção também foi entrar no universo dele, que gosta de assuntos tão diversos como o steampunk e a taxidermia”, acrescenta a arquiteta. (FABIO DE PAULA)

* Veja a reportagem completa na Casa Vogue de abril

 

 

Leave a comment